Perdido por mil…

Que seu novo lema seja: perdido por mil, tudo recuperado, mesmo que um a um…

Quantas vezes não somos iludidos pela sensação de impotência em que lançamos mão do velho ditado: “Perdido por um, perdido por mil…”

Desalento total e falta de controle são as sensações menos ruins que acompanham tal situação. Existe uma forma mais confiante de lidar com um momento desses?

Confesso que perdi muito tempo na vida me aborrecendo comigo mesma por atitudes impensadas, ou melhor, erroneamente pensadas. Ou até pela falta de energia que me fazia sucumbir a uma procrastinação ou escapada de trilhos quando se tratava de tentar sedimentar novos hábitos “saudáveis”. 

O que fazer na hora em que se percebe não estar no melhor momento? 

Faço aqui algumas reflexões com você que mudaram minha perspectiva sobre o que é bom ou ruim na vida. Vou começar pela mais difícil de se aceitar e também a que resolve tantos problemas…

A vida é soberana e garantí-la é seu dever. Se tiver pessoas que dependam de você por não terem capacidade de decidir seus rumos, como crianças e pessoas com cognição prejudicada, é seu dever também zelar pela vida delas. Fora isso, você não tem alcance a escolher por ninguém, a não ser por convite. Não tente achar que é seu papel mudar ou direcionar a vida de outra pessoa. Ela não te pertence. Não assuma culpas ou encargos que não são seus. Quer ver onde isso chega? Se você é o responsável pelo preparo das refeições numa casa, faça refeições saudáveis. Se outros não gostarem, que criem suas porcarias sozinhos…Eles também têm o direito de escolher, mas não é você que tem que arcar com essa culpa. 

Se a coisa se inverte, e você come aonde outro é o responsável pela cozinha, você pode simplesmente começar a cozinhar, mesmo que só para você. 

Por que escrevo isso num blog sobre alimentos? Porque é lugar comum que os deslizes que ocorrem numa dieta estão relacionados a situações sociais, à falta de encorajamento de pessoas muito próximas, ou ainda, pela famosa situação de compensação emocional. 

Calma que você vai entender já já a relação das coisas. Vamos apenas olhar um pouco diferente para a questão das dietas. Se você se aborrece e se descuida de cuidados com a alimentação, que associada a exercícios é a melhor, talvez a única, forma de ser saudável, você está jogando contra no quesito cuidar bem da própria vida. Está caminhando para adoecer e se tornar um fardo para outras pessoas, sejam quem forem. Vai depender de cuidados de outros, usar mais recursos e ainda vai limitar sua própria liberdade e autonomia. Como podemos analisar melhor essa questão? 

Uma vez li um texto que dizia que você, quando deixa de cuidar de si para fazer algo bom por alguém, não está fazendo nada de bom. A Natureza, grande provedora, ainda terá um para cuidar. Então melhor você cuidar bem direitinho de si, que assim será um a menos para requerer atenções. Depois de se cuidar muito bem, se sobrar energia, aí sim você pode oferecer-se para ajudar. Mas nunca imponha a sua vontade como sendo ajuda, senão você atropela as escolhas alheias. 

Pense sempre que sua vida é responsabilidade sua. Inclusive a de não ser fardo para o outro. Não ache que alguém tem a obrigação de cuidar de você. Ninguém tem, nem cônjuge, nem filhos ou dependentes. Filhos e pares não são seguros de vida, podem ser pessoas sensacionais, mas se você não se cuida porque acha legal se tornar um peso na vida alheia, quem não é legal é você. Ponto. Parágrafo!

Sei que tudo isso está muito duro de ler, então vamos voltar a um ponto mais específico da questão. A falta de cuidado com o que você come e que afeta sua saúde. Vamos então melhorar essa dieta que toda hora vira problema. Mas, pense bem… se você não fizer uma dieta, você não tem deslizes de nada. Pronto! Resolvida a questão, você está perdoado/perdoada!

Agora você vai achar que não estou escrevendo coisa com coisa…Vamos lá esclarecer bem. Comer de forma a não fazer dieta não é a mesma coisa do que fazer escolhas ruins propositadas e conhecidas.

Se você se preocupa com a possibilidade de adoecer e morrer precocemente, e isso agora assalta os pensamentos de quase todos, então pense em estar saudável na sua melhor possibilidade de alcance. Então, ao invés de se desanimar frente a mudanças radicais que denotam muitas outras atitudes, só mude o que está no seu alcance nesse exato momento de escolha. 

Como fazer isso? Simples. Está abrindo a geladeira? Ache uma fruta. Ache a jarra de água. Prepare uma jarra de água saborizada. Não escolha o doce ultraprocessado ou o “suco” tranqueira que está lá prontinho para enganar e adoecer você! 

Como fazer se você está com fome e não tem nada na geladeira, então vai de delivery? Peça a melhor escolha que puder. Há opções aos milhares, escolha a “menos pior” e não adicione porcarias acessórias. Faça o melhor naquele instante. 

A soma de tantos instantes é que constrói uma vida, já dizia o poeta, então que cada instante não seja em vão. 

Isso muda sua vida, sem massacrar sua auto-estima.

MATÉRIAS RECENTES